Banco de Potência

A potência é uma das características de um motor que é usada para medir as performances de tofos os veículos motorizados. A medida usada para caracterizar a potência é cavalo-vapor (cv). Esta medida surgiu na altura das máquinas a vapor para comparar a força que desenvolviam face aos cavalos.
 
O Banco de Potência ou Dinamómetro é um dispositivo que mede a potência produzida por um motor. Esta potência é obtida através das medições do binário e da rotação do motor. No mundo motorizado, aumentar a performance dos motores é importante e aferir o resultado das alterações ou otimizações efetuadas, nem sempre pode ser percebido em estrada. Aqui os bancos de potência tem um papel fundamental, pois permitem verificar ao longo de todo o regime de rotação, o resultado obtido com essas alterações.

Os bancos de potência têm associado um software que permite o desenho de um gráfico que representa a potência máxima em cada um dos regimes, o binário e a potência de perdas. Medindo a potência e binário do motor no estado original e depois de modificado, podemos verificar as diferenças e analisar em que regimes se ganharam mais potência.

O Banco de Potência serve também para verificarmos se um motor está ainda dentro dos parâmetros indicados pela fábrica. Assim temos a possibilidade de detetar alguma anomalia e podemos ter uma melhor ideia do estado geral do motor. Alguns bancos de potência, graças ao seu potente software permitem também efetuar simulações variadas de utilização como subidas, descidas, recuperações e muito mais.

Normalmente a potência é medida nas rodas. Assim, medindo a potência às rodas e as perdas de potência que se dá entre o motor e as rodas, pode obter-se a potência ao motor. É normal que se perca entre 20 a 30% de potência nos vários intervenientes entre o motor e a estrada.

A Motodinâmica, em 1996,  foi uma das primeiras oficinas em Portugal a adquirir um banco de potência.

Em 2010 a Motodinâmica fez um upgrade de hardware e software de forma a alargar a gama de veículos a testar. Neste momento a oficina está habilitada a testar, para além das motos, Moto 4 (ATV) e Kartcross (máximo de via traseira de 1.60 m).